terça-feira, 19 de novembro de 2013

Quero uma cidade com praias limpas...Eu quero Coleta seletiva, e você?


terça-feira, 29 de outubro de 2013

Catadores ajudam a implantar Política de Resíduos Sólidos

Conferência do Meio Ambiente aprova 60 recomendações para aprimorar a lei

Ambiente, Izabella Teixeira, anunciou neste domingo (27/10), no encerramento da 4ª. Conferência Nacional do Meio Ambiente, em Brasília, a criação de um grupo de trabalho permanente, vinculado ao seu gabinete, com um representante dos catadores de produtos recicláveis, para acompanhar a implantação da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS). É a primeira medida a ser tomada após o evento, que reuniu quase 3 mil pessoas, de 27 Estados, para elaborar uma pauta prioritária com 60 recomendações que foram encaminhadas ao governo para tornar a política uma realidade.

Para a ministra, a 4ª. CNMA acelera o processo de implantação da lei. “É uma nova agenda de trabalho, tanto para os  governos, quanto para os cidadãos e as empresas. É isso que muda o Brasil. Vocês estão aqui defendendo o seu país”, disse a ministra ao analisar a os resultados da participação popular. Das etapas estaduais até a conferência nacional, os debates em torno da PNRS já reuniram mais de 200 mil  pessoas. “Isso demonstra que todos querem e estão dispostos a trabalhar para que a política de resíduos sólidos avance”, salientou.
Recomendações - As propostas vencedoras do fórum nacional recomendam ao governo que amplie e diversifique suas ações na área de educação ambiental, fortaleça a fiscalização com leis e medidas mais rígidas, estimule com campanhas e recursos financeiros a reciclagem, desonere a logística reversa, valorize a mão de obra dos catadores e elabore leis que proíbam a incineração de resíduos recicláveis. Em três dias de debates e votações, um conjunto de 160 propostas com origem nas etapas estaduais e municipais definiu as 60 prioridades. Isabella lembrou que as conferências anteriores sempre produziram sugestões acatadas e transformadas em política públicas e que essa não será diferente.
De acordo com a ministra, o que 4ª. CNMA recomenda é fruto da democracia participativa, em sua forma mais direta.  Os debates contaram com a presença de representantes de governos estaduais, municipais e federal,  pesquisadores, professores universitários e catadores. Na avaliação de muitos dos participantes,  serviu para que as pessoas tomassem consciência da complexidade de implantar a PNRS e para que possam arregaçar as mangas para tornar o país mais sustentável.  “Gente que nunca teve direito a voz nem voto nas decisões ministeriais, agora teve. É uma vitória do povo brasileiro”, avaliou Izabella. Para ela, a ajuda de todos permite com que o Ministério do Meio Ambiente (MMA) possa fazer políticas públicas mais inclusivas e mais sustentáveis.
Na avaliação do diretor do Departamento de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental do MMA, Geraldo Abreu, que coordenou a realização da 4ª. CNMA,  a quantidade de pessoas envolvidas na realização da conferência é uma prova de que está havendo uma renovação da política ambiental no Brasil. “O recado que eles passaram é de que o governo não deve arredar pé de implantar a política de resíduos sólidos.”, afirmou. Uma das propostas aprovadas pede que o governo não adie o prazo para a desativação dos lixões e implantação dos aterros sanitários.
Para Abreu, ninguém mais quer ser apenas ouvinte nas questões ambientais. “Todos querem participar. Isso retira as decisões das mãos de alguns”, avalia. Ele conta que a escolha do tema para o evento foi controvertida. “Muitos achavam que não ia dar certo realizar uma conferência com uma política já adotada e sancionada”, disse.  Agora a expectativa dele é de os bons resultados da  4ª. CNMA sejam traduzidos em ações concretas, que melhorem a implantação da política e a consolidação da responsabilidade compartilhada, com governos, empresas e cidadãos fazendo a sua parte.

Pensar. Comer. Conservar: nova campanha do PNUMA e da FAO contra o desperdício alimentar

Promovida pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), a campanha alerta que 1,3 bilhão de toneladas de comida são desperdiçadas a cada ano. Iniciativa dará informações para evitar o desperdício, reduzir o impacto ambiental e poupar recursos.
Mais de um bilhão de toneladas de comida são desperdiçadas a cada ano. Para reverter esta situação, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura  (FAO) lançaram no dia 22 de janeiro a campanha global contra o desperdício de alimentos “Pensar. Comer. Conservar. Diga não ao Desperdício”.
A iniciativa se dirige especialmente aos consumidores, comerciantes e outros atores sociais da área gastronômica e de hospedagem e reunirá diversas ações contra o desperdício, reunidas em umportal (www.thinkeatsave.org). Segundo a FAO, um terço dos alimentos é perdido durante os processos de produção e venda, um desperdício equivalente a um trilhão de dólares.
“Nas regiões industrializadas, quase metade da comida descartada, cerca de 300 milhões de toneladas por ano, ainda está própria para o consumo. Esta quantidade é equivalente a toda a produção de alimentos da África Subsaariana, e suficiente para alimentar 870 milhões de pessoas”, informou o Diretor-Geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva.
A campanha fornecerá informações e dicas para evitar o desperdício, reduzir o impacto ambiental e poupar recursos. Os consumidores serão incentivados a não se deixar seduzir por estratégias para consumir mais do que o necessário. Já os comerciantes podem oferecer descontos em produtos próximos da data de validade.
A iniciativa é coordenada pelo Save Food Initiative, ação da FAO e da Messe Düsseldorf,  e pelo “Desafio Fome Zero”, do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon. Participam também organizações como a WRAP UK, de incentivo à reciclagem, e Feeding the 5000, que distribui alimentos que seriam descartados, além de outros parceiros, como governos nacionais com experiência em políticas contra o desperdício.
Participe da campanha global acessando www.thinkeatsave.org

domingo, 6 de outubro de 2013

Resíduos Sólidos

Atualizado: 04/10/2013 11:00 | Por Portal EcoD

Brasil precisa investir R$ 6,7 bilhões para dar fim adequado a resíduos sólidos

Por Agência Brasil

O Brasil precisa investir R$ 6,7 bilhões para, de forma adequada, coletar todos os resíduos sólidos e dar fim a esse material em aterros sanitários. O dado foi divulgado na quinta-feira, 3 de outubro, pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).
De acordo com a entidade, caso o país mantenha o ritmo de investimentos na gestão de resíduos registrado na última década, a universalização da destinação final adequada deverá ocorrer apenas em meados de 2060. “No atual ritmo, chegaremos a agosto de 2014 com apenas 60% dos resíduos coletados com destino ambientalmente correto”, destaca Carlos Silva Filho, diretor executivo da Abrelpe.
A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) prevê para agosto de 2014 o fim da destinação inadequada de resíduos. Dados da Abrelpe mostram que há ainda cerca de 30 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos com destinação inadequada no país. “Se não contarmos com esforços conjuntos e recursos disponíveis para custear o processo de adequação, corremos o risco de ver o principal ponto da PNRS não sair do papel”, destacou o diretor.
Segundo a associação, a aplicação de 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB) no setor de resíduos seria suficiente para as adequações necessárias.

domingo, 25 de agosto de 2013

I Conferência Livre de Meio Ambiente dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis

Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis – MNCR/RJ tem o prazer de convidar V. S.ª para a I Conferência Livre de Meio Ambiente dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis, a ser realizada nos dias 26 e 27 de agosto, no Galpão da Cidadania, na Rua Barão de Tefé – 75,  Saúde, Rio de Janeiro – RJ.

Programação

Dia 26 – Segunda-Feira

09h – 12h – Recepção, Credenciamento e Café
12h – 13h30min – Almoço Livre
14h – 15h30min – Abertura Oficial
15h30min - Apresentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos e Plano Estadual de Resíduos Sólidos
17h30min – 18h – BV Rio – Apresentação do Sistema de Créditos para Logística Reversa
18h – Encerramento

Dia 27 – Terça-Feira

08h – 09h – Café da Manhã
09h – 10h – Apresentação do  Texto Orientador / Grupos de Trabalho
10h – 12h30min – Grupos de Trabalho
12h30min – 14h – Almoço Livre
14h – 15h – Votação dos Delegados
15h – 15h30min – Intervalo para Lanche
15h30min – 17h - Apresentação dos Grupos de Trabalho e Propostas
17h – 17h30min  – Discussão e Finalização das Propostas
17h30min – Encerramento



sábado, 17 de agosto de 2013

O meu e o seu lixo é um problema nosso!

“De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil descarta a cada dia 230 000 toneladas de detritos – e mais da metade disso corresponde a lixo doméstico.”


Você sabe?


sábado, 10 de agosto de 2013

No día 10 de Agosto Búzios realizou a sua 1º Conferência Municipal de Meio Ambiente

Inicio Credenciamento


Os palestrantes dos Eixos
  1. Educação Ambiental - Carlos Alberto Muniz - Sec. De Meio Ambiente
  2. Produção e Consumo Sustentável - Bióloga Da P. Rio das Ostas
  3. Redução de Impactos Ambientais- Sergio Ricardo - Ambientalista
  4. Geração de Emprego e Renda - Ricardo Salles



No dia 9 de Agosto Armação dos Búzios realizou a sua II Conferência de Cultura

COCARE presente
Coral da Escola Paulo Freire, emocionou a plateia

Monica Representante da Fecab  na mesa.



terça-feira, 30 de julho de 2013

Política Nacional de Resíduos Sólidos


A Política Nacional de Resíduos Sólidos reúne um conjunto de princípios, objetivos, instrumentos, diretrizes, metas e ações adotadas pelo Governo Federal, isoladamente ou em regime de cooperação com Estados, Distrito Federal, Municípios ou particulares, com vistas à gestão integrada e ao gerenciamento ambientalmente adequado dos resíduos sólidos. 

A PNRS trouxe diversas inovações que poderão aperfeiçoar a gestão dos resíduos sólidos no Brasil, dentre as quais podemos destacar:
  •  Incentivo à Não Geração, Redução, Reutilização e Reciclagem;
  •  Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos;
  • Responsabilidade Compartilhada;
  •  Estímulo à implantação da Coleta Seletiva;
  •  Estímulo à Logística Reversa;
  •  Estímulo à Formação de Consórcios Municipais;
  •  Elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos nas Esferas Administrativas;
  •  Elaboração dos Planos de Gerenciamento de Resíduos no âmbito da Iniciativa Privada;
  •  Incentivo à Implantação, Formalização, Aparelhamento e Capacitação de Cooperativas de Catadores de Resíduos;
  •  Estabelecimento de Prazo para Desativação dos Lixões.

  • segunda-feira, 15 de julho de 2013

    NO BRASIL, SÓ 1,5% DOS CARROS SÃO RECICLADOS

    Segundo Valentin Aparicio Escamilla, presidente do Sindinesfra, 95% do carro é reciclável. “Além disso, o aço de uma carroceria pode ser reaproveitado quantas vezes forem necessárias. Um veículo vira cem outros.”, afirma ele.Porém, existem alguns indícios de que essa situação pode mudar. No final do mês de maio, o Governo de São Paulo abriu uma licitação para a reciclagem dos carros apreendidos ou recolhidos pela polícia que lotam pátios, como o de Santo Amaro, localizado perto da Represa Guarapiranga, na capital paulista, e que já chegou a ter 17 mil unidades. A iniciativa é pioneira e deve fazer com que outros estados tomem a mesma medida. “Essa licitação era o primeiro e mais importante passo a ser tomado. Com certeza, a porcentagem de 1,5% deve subir consideravelmente”, afirma Valentin. 

    terça-feira, 25 de junho de 2013

    #VEMAJUDAR... VEMMMMM


    CADA FARDO DE PAPELÃO PESA entre 280 kg a 300 kg.




    #VEM AJUDAR VEM, EM VEZ DE CRITICAR 
    VEM AJUDAR...

    sábado, 22 de junho de 2013

    REDUÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS

    O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado pelo choque da relação do homem com o meio ambiente, surgiu a partir da evolução humana, ou seja, no momento em que o homem começou a evoluir em seu modo de vida. Nos primórdios da humanidade o homem mantinha uma relação de submissão com o meio ambiente.
    Com o passar do tempo o homem descobriu o fogo, mas o impacto gerado por este era irrelevante para a natureza, depois passaram a cultivar alimentos e criar animais, com isso o impacto ambiental começou a aumentar gradativamente. Pois para plantar e para o gado pastar era necessário derrubar árvores de determinados lugares, além do mais, a madeira derrubada servia para construir abrigos mais confortáveis e obtenção de lenha. A partir desse momento, começou a se tornar mais visível os impactos ambientais causados pelo homem como, por exemplo, a alteração em certas cadeias alimentares. 

    As alterações na natureza derivadas dos desequilíbrios ambientais

    Alguns impactos ambientais: 

    • Diminuição da biodiversidade; 

    • Erosão; 
    • Inversão térmica; 
    • Ilha de calor; 
    • Efeito Estufa; 
    • Destruição da camada de ozônio; 
    • As chuvas Ácidas; 
    • Mudanças climáticas, etc. 

    O que fazer para diminuir os impactos ambientais: 

    • Reflorestar as áreas desmatadas; 
    • Criar um processo de despoluição dos nossos rios, córregos, etc. 
    • A aplicação do desenvolvimento sustentável; 
    • Uso consciente dos recursos naturais; 
    • Evitar qualquer tipo de poluição. 
    • Conscientizar as gerações futuras sobre a preservação ambiental; 
    • Criar lei que garantam essa preservação, etc.


    sábado, 25 de maio de 2013

    sexta-feira, 24 de maio de 2013

    Situação da COCARE depois de uma chuva, alô autoridades.



    Nossa praia sempre limpa - COCARE PRESENTE

    Foi realizado na terça-feira 23/04 o 4º Mutirão de Limpeza da Praia de João Fernandes, organizado pelos hotéis La Plage e La Forêt e contando com a colaboração de hóspedes, turistas, colaboradores dos hotéis La Plage e La Forêt e Club La Plage, quiosqueiros e ambulantes que trabalham e frequentam a nossa querida praia.

    O Projeto vem dando bons resultados, este ano notamos que a praia estava com menos lixo, isto mostra o amadurecimento e a conscientização dos empresários e frequentadores, mas o micro lixo ainda é um grande problema nas areias da nossa belíssima praia.
    Postado por: POSTADO POR 
    FONTE::Blog de Ville La Plage e La Forêt

    Os catadores agradecem a doação de cestas básicas recebidas pelo INEA e roupas de cama pelo hotel la plage e la foret !



    A COCARE agradece ao La Plage a doação de roupas de cama para os catadores

    Roupas de cama doadas pela Pousada La plage

    terça-feira, 12 de março de 2013

    ENTREVISTA NA RADIO ESTAÇÃO 104




    O presidente da ONG Guardiões do Mar, Pedro Belga, e o presidente da Cocare, Ivan Vasconcellos,


    segunda-feira, 11 de março de 2013

    Meio Ambiente por Inteiro - Resíduos Sólidos - Parte 1


    Brasil responde por 2% da emissão de metano

    Combustível valioso por possuir um alto teor calorífico, o gás metano (CH4) tem um potencial de aquecimento global 25 vezes maior que o dióxido de carbono (CO2). Por conta disso, tem crescido o número de projetos que visam recuperar o metano, em especial para geração de energia elétrica.
    Durante seminário promovido pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), no Rio de Janeiro, para lançar o Atlas Brasileiro de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e Potencial Energético na Destinação de Resíduos Sólidos, Christopher Godlove, coordenador de projetos da Environmental Protection Agency (EPA),destacou que o Brasil é responsável pela geração de 2% do gás metano emitido no Planeta. No entanto, os maiores geradores são os Estados Unidos, com 26%, e a China, com 11%. “Os aterros sanitários são a terceira maior fonte de emissão de metano”, acrescentou.
    Ainda segundo o especialista da EPA, há mais de 1.100 projetos de aproveitamento de biogás de aterro sanitário no mundo, sendo que pelo menos 600 estão nos Estados Unidos. Dessas iniciativas americanas, mais de 250 visam a geração de energia elétrica, totalizando uma capacidade instalada de 1.100 MW.
    “Os projetos têm porte médio de 4 MW, mas podem variar de 500 kW a 40 MW”, afirmou Sandra Mazo-nix, consultora da SCS Engineers, que atua como parceira da EPA no Global Methane Initiative (GMI), grupo que conta com a adesão de mais de 70 países, incluindo o Brasil.
    Godlove salientou que, para que sejam viáveis economicamente, os projetos de recuperação de biogás contam nos Estados Unidos com mecanismos de incentivo fiscal, como o Production Tax Credit (PTC), pelo qual o governo federal concede incentivo de US$ 0,10 por kWh.
    “Outros pontos que devem ser considerados para se avaliar a viabilidade de um projeto dessa natureza são a proximidade do gride, o preço da energia no mercado, as condições regulatórias e os possíveis compradores”, salientou Alfredo Nicastro, VP da MGM Innova, consultoria que desenvolveu o Atlas em conjunto com a Abrelpe.
    Para o diretor executivo da entidade, Carlos Silva Filho, o governo brasileiro precisa criar programas que estimulem novas fontes de energia renovável. “Além disso, é importante que a redução de tarifas de distribuição e transmissão seja estendida a projetos com potência superior a 30 MW”, ponderou, ao enfatizar que, em razão desses fatores, a energia gerada a partir do biogás não é competitiva se comparada à eólica e à solar.
    “Um de nossos objetivos ao desenvolver o Atlas é justamente municiar o governo de dados, de forma que possam avaliar possíveis incentivos para a geração de energia pelo setor de resíduos sólidos”, concluiu Silva Filho.
    Criada em 1976, a Abrelpe é uma associação civil sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas que atuam nos serviços de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. Seu objetivo principal é promover o desenvolvimento técnico-operacional do setor de resíduos sólidos no Brasil.
    A entidade participou ativamente no Congresso Nacional para a aprovação e a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e foi a pioneira na implantação de um programa de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (REEE) em um município.
    Comprometida para o equacionamento das demandas decorrentes da gestão de resíduos, a Abrelpe desenvolve parcerias com poder público, iniciativa privada e instituições acadêmicas e, por meio de campanhas, eventos e premiações, busca conscientizar a sociedade para a correta gestão dos resíduos.
    No contexto internacional, a Abrelpe é a representante no Brasil da International Solid Waste Association (Iswa ) e sede da Secretaria Regional para a América do Sul da Parceria Internacional para desenvolvimento dos serviços de gestão de resíduos junto a autoridades locais (Ipla), um programa reconhecido e mantido pela ONU por meio do Centro das Nações Unidas para o Desenvolvimento Regional (UNCRD).
    Fonte: Abrelpe

    sexta-feira, 8 de março de 2013

    RECICLAGEM EM BALI



    Na vila de Temesi, o lixo é transformado em adubo, que, por sua vez, financia a estação de reciclagem.
    Objetivo: diminuir a quantidade de lixo e a emissão de gases do efeito estufa
    Amplitude do projeto: 100 funcionários, 60 toneladas de lixo por dia
    Volume do projeto: 600 mil dólares na primeira estação de reciclagem
    A ilha indonésia de Bali afunda no lixo. Não há coleta seletiva. Montanhas de lixo destroem a paisagem e produzem metano, um gás causador do efeito estufa. Os moradores da vila de Temesi cansaram de viver dessa maneira e construíram uma estação de reciclagem, onde 100 pessoas trabalham na redução de 60 toneladas de lixo por dia. Os resíduos orgânicos viram adubo. A estação é financiada com a venda desse composto e de créditos de carbono. A vila é um exemplo para toda a ilha.
    Uma reportagem de Manuel Özcerke

    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

    Gestão de resíduos sólidos, um desafio para os novos prefeitos


    Terminada a última etapa das eleições municipais, é chegada a hora de os novos prefeitos interromperem as comemorações e começar a agir para atender as expectativas de seus eleitores. Entre os inúmeros desafios que estarão à frente da administração das cerca de 5.600 cidades brasileiras está a gestão dos resíduos. Como veremos mais à frente são poucos os municípios que encaram esse problema com a urgência e relevância que o assunto faz por merecer.
    Ninguém é capaz de negar a importância de termos uma gestão mais correta e eficiente dos resíduos como a estabelecida na proposta da Política Nacional de Resíduos Sólidos-http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Também é muito difícil desconsiderar os enormes obstáculos para se conseguir a sua efetiva implementação.
    Para começo de conversa com a nova Lei de Resíduos Sólidos, o lixo deixa de ser lixo para virar resíduo.  E, esse tal resíduo, deverá ter um destino muito mais nobre que o pobre lixo jogado por aí, sem qualquer serventia. Resíduo é material valioso para ser usado novamente na cadeia produtiva, pronto para ser reaproveitado, reutilizado, reciclado e não mais descartado.  Do plebeu lixo para o nobre resíduo. Do imprestável para se transformar em insumo essencial.
    Sabe aquele catador de lixo, em sua maioria, subempregado e trabalhando em condições no mínimo pouco favoráveis? Pois esses profissionais irão receber o valor que merecem quando a lei estiver plenamente em vigor. Eles serão reconhecidos pelo serviço essencial que exercem para toda a sociedade e para a manutenção de um meio ambiente mais saudável.
    A lei também determina, como uma de suas premissas mais importantes, a responsabilidade compartilhada, ou seja, será preciso a participação de todos para o alcance de seus objetivos. Setores público e privado, sociedade civil, cidadãos e como citado acima, dos catadores de material reciclável (notem que não mais os chamamos de catadores de lixo) necessariamente vão ter de fazer parte da mesma equação. Dependerá dessa união o sucesso ou o fracasso da lei.
    Portanto, no bojo da Política de Resíduos Sólidos, estão propostas pequenas e virtuosas revoluções capazes de trazer enormes quebras de paradigma e grandes alterações no comportamento social.
    Obviamente, se existem tantas novas situações por assim dizer, não se devem imaginar facilidades na sua efetiva implantação em qualquer área.
    Despreparo nos municípios
    Hora de falarmos novamente nas Prefeituras e de seus novos ocupantes ou daqueles reeleitos para um novo mandato.
    A lei previa para o começo de agosto deste ano a entrega, por todos os municípios do país, de seus planos de gestão de resíduos.  Segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA), por volta de 560 municípios, ou 10% do total das cidades brasileiras, concluíram e entregaram esses planos. Os municípios que perderam o prazo não terão direito a receber recursos federais e renovar novos contratos com a esfera federal para o setor. Essa questão ficou, portanto, para as novas administrações.
    A baixa adesão das cidades pode parecer simples descaso, mas conforme pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) com cerca de 400 municípios, o problema se deve muito à falta de pessoal qualificado para atender aos requisitos previstos na lei. Afinal, para quem achava que para cuidar do lixo bastava um terreno grande para o seu envio e descarte, a lei veio para colocar ordem e mudar um cenário cada vez mais criminoso e urgente.  O lançamento indiscriminado de materiais perigosos e contaminantes sem cuidado ou tratamento compromete o futuro e a saúde das pessoas, entre os seus principais e nefastos resultados.
    O fim dos lixões até 2014 em todas as cidades brasileiras, será uma tarefa com enormes dificuldades em se tornar realidade, se a maioria das cidades permanecerem distantes dessa discussão. No lugar dos lixões, os resíduos só poderão ser enviados para aterros sanitários. Mas a realidade atual, segundo o Ministério do Meio Ambiente, é a de que ainda existem mais de 3 mil lixões no Brasil sendo que nada menos de que 60% dos municípios do país despejam lá seus resíduos.
    A união faz a força
    Em recente workshop realizado pelo Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM), no Rio de Janeiro, diversos especialistas apontaram a necessidade de se unirem esforços entre o setor privado e os municípios para que a lei alcance os efeitos desejados. Capacitar gestores, realizar um trabalho integrado de educação e conscientização ambiental, garantir incentivos fiscais e justiça tributária para a cadeia de recicláveis são algumas das tarefas a serem trabalhadas em conjunto. Nesse último item, Mauricio Sellos, coordenador do Programa Jogue Limpo que realiza a logística reversa na cadeia de lubrificantes, apontou durante o workshop carioca, o apoio à indústria de reciclagem como urgente e fundamental. “São necessários incentivos fiscais para a cadeia, para quem faz a logística, para quem recicla e para quem consome o material reciclável, do contrário, poderemos ter um volume grande de material reciclado, mas não ter sua utilização” afirmou Mauricio.
    Para as cidades médias e pequenas, os especialistas apontam a formação de consórcios como um bom caminho para a gestão dos resíduos.  Assim, as administrações municipais podem unir esforços para a montagem de seus planos, reduzem seus custos, aumentam a escala na coleta de resíduos e garantem melhores contratos com as empresas do setor, entre outros benefícios.
    Camilla Passarela Bortoletto, da Abrelpe, apontou que um dos maiores gargalos na gestão de resíduos é o conhecimento técnico sobre o assunto. A ausência de cultura de separação é outro fator complicador na gestão de resíduos.
    O Brasil produz 220 mil toneladas de lixo domiciliar, o que representa mais de um quilo por pessoa. Ao menos 90% de todo esse material poderia ser reaproveitado, reutilizado ou reciclado. Apenas 1% acaba sendo aproveitado para ter um destino mais nobre do que o de se degradar e contaminar o nosso ambiente. Mesmo assim, mais de um milhão de pessoas trabalham e sobrevivem da reciclagem desse lixo. Os especialistas calculam que o Brasil deixa de ganhar ao menos R$ 8 bilhões por ano ao não reciclar toda essa grande quantidade de resíduos gerados no país.
    E o lixo continua a aumentar
    De acordo com o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, divulgado pela Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), a quantidade de resíduos sólidos gerados no Brasil em 2011 totalizou 61,9 milhões de toneladas, 1,8% a mais do que no ano anterior. Do total coletado, 42% do lixo acabaram em local inadequado.
    O crescimento na “produção” desses resíduos de 2010 para 2011 foi duas vezes maior do que o aumento da população, que ficou em torno de 0,9% no período.
    O estudo revela também que, em 2011, foram coletados 55,5 milhões de toneladas de resíduos sólidos. Sendo que 42% desses resíduos foram parar em locais inadequados como lixões e aterros controlados. E, ainda pior, cerca de 10% de tudo o que é gerado acaba tendo destino ainda pior em terrenos baldios, córregos, lagos e praças.
    Uma política para chamar de nossa
    A PNRS talvez seja uma das primeiras iniciativas que finalmente, enxerguem o mundo como ele é, ou seja, redondo e finito! Afinal como podemos viver e consumir imaginando que tudo, matérias-primas renováveis ou não, possam ser utilizadas sem qualquer controle ou parcimônia, e depois “jogadas fora”! Apesar de óbvios, foi preciso surgir situações críticas na capacidade de armazenar lixo; casos gritantes de contaminação de solo e água e a ocorrência de sérios problemas de saúde pública.  Isso tudo acompanhado de estudos apontando a redução substancial e mesmo o esgotamento de reservas de matérias-primas estratégicas, para concluirmos que esse estado de coisas não poderia continuar do jeito que estava.
    As cidades, as pessoas e o futuro comum  
    Toda a sociedade, mas às administrações públicas particularmente, caberá também a tarefa de levar as informações sobre a lei de resíduos para todos os seus cidadãos.
    Hoje, se os setores público e privado avançam vagarosamente no conhecimento e na aplicação da lei, o mais grave em todo esse processo está no desconhecimento dos brasileiros quanto à discussão dessa nova e revolucionária política. Sem a participação do consumidor essa equação não fecha! O cidadão é parte integrante e determinante para a viabilização de todo o projeto.
    É, portanto, fundamental que as novas prefeituras façam todos os esforços a seu alcance para levar às pessoas, informações sobre os objetivos da nova política e os deveres e direitos nela embutidos.
    O poder público pode e deve contribuir, por meio da autoridade que lhe foi investida pela população, para promover parcerias com todos os setores da sociedade na implantação de projetos de educação ambiental em escolas e empresas, acompanhadas de campanhas de esclarecimento, com o apoio e o engajamento vital da mídia local. Tais ações vão contribuir substancialmente para reduzir o abismo informativo entre a lei e a população brasileira.
    Texto: Reinaldo Canto


    terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

    O QUE COLOCAR NOS ECOPONTOS

    Os ECO PONTOS são parte do Projeto de Coleta Seletiva da Cidade, eles foram criados para recolher materiais recicláveis, peço a população não depositar neles restos de comidas, e só materiais recicláveis, obrigada pela colaboração.

    domingo, 27 de janeiro de 2013

    POSTO DE COLETA SELETIVA - ECO AMPLA VOLTA A FUNCIONAR, NA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE

    LEVE SEUS MATERIAIS  RECICLÁVEIS NA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE, FAÇA SEU CADASTRO E TENHA DESCONTO NA SUA CONTA DE LUZ, RECICLE ...

    domingo, 6 de janeiro de 2013

    O PROJETO GUARDIÕES DO MAR, ENTREGA MATERIAL DE TRABALHO PARA A COOPERATIVA COCARE


    NA FOTO: ROGÉRIO, IVAN E ANDRÉ INTEGRANTES DA COOPERATIVA COCARE

    COCARE RECEBEU DO PROJETO CATA SONHOS COMPUTADOR, E IMPRESSORA
    CAMISETAS DO PROJETO, LUVAS E RESPIRADORES.


    NA FOTO: SR ROGÉRIO VICE PRESIDENTE DA COOPERATIVA

    BAGS PARA SEPARAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS