segunda-feira, 18 de junho de 2012

IBGE revela carência de coleta seletiva de lixo

O número de cidades brasileiras com coleta seletiva de lixo mais que dobrou de 2000 a 2008, mas ainda assim apenas 1.087 municípios, ou 19,5% do total, têm alguma forma de separação para reciclagem. Segundo a pesquisa Índices de Desenvolvimento Sustentável (IDS 2012), divulgada nesta segunda-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2000, apenas 8,2% das cidades tinham coleta seletiva.

Ao mesmo tempo, porém, o Brasil é campeão em reciclagem de alumínio, com 98,2% de reaproveitamento de latinhas, em 2009. "No Brasil, os altos níveis de reciclagem nem sempre estão associados à educação e à conscientização ambiental. Muitas vezes o alto valor das matérias-primas e a presença de uma massa de trabalhadores sem qualificação e poucas opções de emprego são fatores que explicam", diz o IBGE no documento da IDS 2012.

Mesmo o Paraná, Estado com a maior cobertura de coleta seletiva, tem 52,1% das cidades nessa situação. A disparidade regional é enorme: no Piauí, duas cidades (0,9% do total) têm coleta seletiva.

Os municípios com coleta seletiva estão mesmo concentrados nas regiões Sudeste e Sul, onde 25,9% e 41,3% das cidades, respectivamente, fazem separação de lixo. São piores os dados para o Norte (5,1% das cidades), Nordeste (6%) e Centro-Oeste (7,1%).

Desenvolvimento sustentável

Caiu a mobilização política local, nos municípios, em torno do desenvolvimento sustentável. Em 2002, 50,6% da população viviam em cidades com Agenda 21 Local. Em 2009, a parcela caiu para 41,2%, segundo a pesquisa IDS. Em 2009, havia apenas 978 municípios com Agenda 21 Local.

A Agenda 21 é um documento assinado por 178 países na Rio 92, estabelecendo uma série de objetivos, critérios e princípios para o desenvolvimento sustentável. A Agenda 21 Local é um processo de planejamento estratégico para implementar a agenda localmente. O fim do Programa Farol do Desenvolvimento, do Banco do Nordeste (BNB), que financiava a instalação de projetos de Agenda 21 Local, foi apontado pelo IBGE como um dos motivos para a desmobilização.

Segundo Denise Kronemberger, coordenadora técnica da IDS 2012, a queda na população residente em cidades com Agenda 21 Local demonstra a insustentabilidade de programas para impor o desenvolvimento sustentável "de fora". "Isso mostra a importância desses processos serem endógenos", afirmou Denise.

Camada de ozônio

De 1992 para 2010, o Brasil reduziu em 89,2% o consumo de substância nocivas para a camada de ozônio, segundo a IDS. A destruição da camada de ozônio, um dos principais problemas da agenda ambiental de 20 anos atrás, na Rio 92, está sendo combatida.

Isso porque o Protocolo de Montreal, assinado em 1987 e atualmente com 196 países signatários, que decidiu pela redução do uso de substâncias destruidoras da camada de ozônio (SDOs), tem sido bem-sucedido.

No Brasil, segundo a compilação do IBGE, o uso de SDOs caiu de 11.099 toneladas PDO (Potencial de Destruição da Camada de Ozônio, unidade calculada englobando os diferentes tipos de substâncias), em 2000, para 1.208 toneladas PDO, em 2010. Os clorofluorcarbonos (CFCs) são os SDOs mais conhecidos.


Por LUCIANA NUNES LEAL E VINÍCIUS NEDER, estadao.com.br, Atualizado: 18/6/2012 11:25